A FERA



Ele era o cara querido, o garanhão,
tinha o coração ferido.
Se sentia imortal,
amar nem pensar.
Mulheres eram várias,
mas voltava pro quarto vazio sem sentido, deprimido.
E a vida lhe fez rasteira,
encontrou a mulher que lhe foi certeira.
Mas ele fingiu não amar,
brigou com o céu e a terra,
disse que ele era a fera.
E a bela se cansou e no final o deixou.
Por dentro ele chorou,
mas novamente não mostrou e
o final desta história já prevemos.
O cara que era o tal,
terminou sem ninguém,
porém dizendo que tinha um harém.

Tânia Faria