PRISÃO



Uma estrada sem fim,
um labirinto que não se acha a saída.
Uma solidão que corre nas veias,
colada, já destinada.
A Procura de algo sem saber o que é.
O encontro daquilo que não se espera,
não se percebe.
Um medo de seguir sozinho,
soltar as mãos.
Uma pressão no peito,
um vazio perfeito.
Uma prisão mesmo estando livre.
A vontade da morte que não solta.
As vozes do além que lhe dizem vem.

Tânia Faria