SOU DO TEMPO



Sou do tempo da ciranda, cirandinha,
não da reboladinha.
Sou do tempo da gratidão aos pais,
onde era importante os valores morais.
Sou do tempo de brincar de boneca,
não de fazer a boneca.
Sou do tempo que se respeitava os mais velhos.
Não os colocavam em asilos como empecilhos.
Sou do tempo de desenhos ingênuos,
não com pessoas matando zumbis,
ensinando à mentir.
Sou do tempo que existia amizade,
não por interesse ,
era tudo sem maldade.
Sou do tempo que se sonhava e compartilhava.
Sou do tempo que o próprio tempo levou,
mas não me tirou o que ele,
com todo cuidado me ensinou.
Esse tempo é que me salvou...

Tânia Faria